Uni, duni, tê, salamê, minguê...

Uni, duni, tê, salamê, minguê...
Materiais a partir de textos da tradição oral

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

It's a book!

Oi, gente,
Não gosto de ficar muito tempo sem postar nada. Me dá agonia, vontade de voltar. Mas é que estou naquele corre corre danado para terminar meu texto para a o exame de qualificação do doutorado, como já havia dito, e com bem menos possibilidade de escrever coisinhas aqui. Assim, escolhi esse jeito mais breve de postar uma coisinha ou outra. Mas em breve retomo os posts sobre os materiais e atividades.

Para não perder a forma, vou dar uma dica de livro, muito interessante para todos nós, adultos e crianças, vivendo nesse mundo informatizado, e ainda (e sempre) amantes do livro. É saboroso, maravilhoso!

Chama-se, justamente, "É um livro". De Lane Smith, editado no Brasil pela Companhia das Letrinhas, agora em 2010. No original chama-se "It's a Book" mesmo e está há mais de 6 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times, lá pelas bandas de lá.
A história mostra o diálogo, atualíssimo, entre um burro e um macaco, um tentando entender o que é um livro e o outro...bom, para o outro, um livro é um livro. Só sabendo para saber. A cara blasé do macaco é impagável. E tem ainda um ratinho...


No site da editora, http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=40642, lemos:
“Com a invenção dos e-books, e a proposta de revolução que trazem consigo, surgem inúmeras dúvidas a respeito do futuro do livro. Muitos aproveitam essa onda para reafirmar seu amor às letras impressas em papel, e dizem que o livro é uma espécie de deus grego: não morre nunca. Sem enveredar pelas malhas da vidência, mas deixando claro que um livro é um livro e isso basta, Lane Smith criou uma história ilustrada, tanto para crianças quanto para adultos, sobre o nosso velho e bom – e amado – livro. Aquele que, ao contrário dos produtos eletrônicos, não apita, não interage, não conecta nem retwitta. Mas que, só pela emoção da narrativa e das imagens, prende a atenção (e ainda rouba o coração) de qualquer um.”

Discordo apenas de que o livro não interage. Ou de que com o livro não se interage. Não interage nos mesmo moldes da interatividade digital, mas há muita interação, a seu modo. Interação do leitor com o texto, interação com a sua materialidade, interação com outras tantas leituras e experiências que a sua leitura proporciona. Enfim, é um livro!

O vídeo abaixo dá uma ideia de quão bacana é o seu conteúdo, mas nem tudo que tem no livro, tem no vídeo. No livro tem outras tantas coisas engraçadas...

video
É isso, gente. Bom proveito! Até breve,
Lica

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Caixa Letrada

Para os que não conhecem e querem ter uma ideia, para os que me perguntaram como é essa tal caixa letrada, para os que a veem subindo, descendo, circulando por aí sem saber ao certo do que se trata, ei-la: a caixa letrada!

Essa caixa foi um presente (maravilhoso) de minha querida aluna Ângela Carmina, que foi também monitora em uma de minhas oficinas no Projeto Salvador. Era dela, a danada! Foi ela que pintou as tantas letrinhas...pra ela... Mas eu gostei tanto tanto da caixa, que ela me deu. Juro, de pé junto, que não falei nada esperando tal presente. Nunca esperei, nunca pensei!!! Fiquei tão feliz! Guardei nela todos os meus kits de joguinhos e vivo com ela para cima e para baixo, desde então.


Hoje, nela já não cabem mais tantas outras caixinhas de jogos e materiais que tenho (acho que precisaria de umas 3 ou 4!!!), mas ao menos levo nela tudo o que preciso para cada oficina...e dela vai saindo é coisa...

É isso, esse foi só para apresentar minha caixa letrada.
Beijos,
Lica

sábado, 13 de novembro de 2010

Proibido para Maiores

Olá, gente!
Minha dica de livro hoje, também dica de material, é o livro Proibido para Maiores, de Denise Rochael, da Editora Formato.

Não é propriamente um abecedário, mas, de certo modo, pode fazer as vezes de, continuando nossa conversa sobre isso. É que os bichinhos aparecem em ordem alfabética, como um pequeno dicionário de bichinhos pequeninos. E para cada bichinho, um pequeno poema. Poemas que falam, de forma lúdica, poética e bem-humorada, de cada um deles. Por vezes tem mais de um bichinho por letra. Falo bichinho porque são bichinhos mesmo...

Nesse livro só entra bicho pequeno, bicho grande não tem vez!
São bichinhos de jardim, bichinhos de todo tipo, alguns mais conhecidos, como abelha, minhoca, mariposa, caracol, outros nem tanto, como o escaravelho e o medepalmos. Há alguns que nadam, como os girinos e o cavalo-marinho, outros que rastejam, como lesma, a minhoca, o caracol, outros que andam com pequenas patinhas, como joaninhas, formigas e carrapatos, e ainda aqueles voam, como a borboleta e a libélula.
Ótimos poemas para brincar, para dizer, para inspirar novos poemas, de outros bichos, ou dos mesmos.
A dica de material para trabalhar em alfabetização, é fazer cartelas com as figuras e cartela com os nomes dos bichinhos, outras com o nome deles em letra de imprensa e outra com a letra inicial de seus nomes.
Para a ficha da letra P teríamos então o PERNILONGO e o PIOLHO, escritos em carletas diferentes, mais as cartelas com suas figuras e outras com os poemas correspondentes.
Teríamos material para trabalhar com crianças em diferentes níveis de conceitualização da escrita.
As crianças podem apenas identificar a letra inicial do animal da figura ou do seu nome, pode tentar identificar as palavras (nomes deles) a partir de diversos indícios, e até tentar ler os textos, identificando qual texto corresponde à figura, seja identificando a partir do nome do personagem escrito nos poemas, seja pela leitura de todo o texto. Se há crianças com certo domínio da leitura autônoma, podemos apresentar as cartelas com os poemas com o nome do bichinho apagado, para elas descobrirem a que animal pertence pelo texto, não pelo nome dele escrito no texto.
São várias as formas de brincar, todas dependendo de explorarem bem o livro antes, sua poesia, seu tema, fruir, brincar, conversar, pesquisar, criar novos poemas ou listas de outros animais etc.
Comparar as palavras que começam com a mesma letra, vendo outras semelhanças e diferenças, é bem interessante para começar a trabalhar com a leitura e escrita das palavras.
Outra coisa legal é fazer a atividade do trem de nomes, conforme já explicado no post sobre os países da Copa do Mundo.
É isso, por ora, é o que pensei... mas vou continuar pensando...
Inté,
Lica
P.S. Vejam no comentário de Ana a esse post outras ótimas dicas de trabalho a partir desse livro!