Uni, duni, tê, salamê, minguê...

Uni, duni, tê, salamê, minguê...
Materiais a partir de textos da tradição oral

sábado, 23 de fevereiro de 2013

E por falar em diferentes sentidos de uma palavra...


Tem também tirinhas ótimas para isso:

Fui!

6 comentários:

  1. No mundo globalizado, os educadores buscam, a todo o tempo, novas metodologias para desenvolver os conteúdos, em sala de aula, de maneira consistente e, ao mesmo tempo, interessante para os alunos. Neste contexto, as histórias em quadrinhos podem ser utilizadas em qualquer em qualquer nível escolar abordando qualquer tema, pois a variedade de histórias existentes permite, ao docente, identificar materiais apropriados para um assunto, faixa etária específica ou qualquer outra variável desejada.

    Camila T. dos Santos
    Pós-Graduação- UFBA
    JEREMOABO-BA

    ResponderExcluir
  2. Ok, Camila...sim, os quadrinhos são ótimos para se trabalhar na escola!
    Mas, em vez de abordá-los como metodologia, que tal abordá-los enquanto gênero discursivo?
    Só faltou articular de modo mais explícito em sua reflexão, a nossa discussão sobre alfabetização, letramento, leitura e escrita...
    E daria, pois você fala de um gênero de texto, os quadrinho, não é?
    Que tal tentar comentar mais sobre as questões de linguagem? Que tal olhar para essa tirinha em específico, pois trata disso?
    Tente!
    Abç
    Liane

    ResponderExcluir
  3. Oi professora Liane!!!!
    A criança em fase de aprendizagem de leitura e escrita observa tudo o que vê: revistas, cartazes, livros, autdoors. Durante esse processo procura em sua mente relacionar a palavra, o vocábulo com uma imagem que a ilustre.Por isso,a utilização de quadrinhos é positiva no processo de alfabetização, pois leva as crianças ao fascínio pelos personagens, desenhos, anomatopeias, cores etc.
    As tirinhas são importantes recursos pedagógicos, uma vez que tais textos se utilizam de elementos verbais e não verbais para a transmissão de mensagens. Além de explorarem por meio do humor variados personagens e assuntos do cotidiano, facilitando a discussão de temas relevantes.
    Nesse sentido, compreendemos "o ato de ler como um processo discursivo no qual se insere os sujeitos produtores-autor, leitor-ambos sócio historicamente determinados e ideologicamente constituídos.
    Portanto, parabenizo-a e agradeço a professora Liane pela sugestão pertinente e bastante proveitosa!!!!!
    Espero que não demore retornar a Jeremoabo!!!!

    Beijossss!!!!!


    CAMILA T. DOS SANTOS
    CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO-UFBA
    JEREMOABO-BA



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em breve estarei de volta, Camila!
      Abçs,
      Liane

      Excluir
  4. Olá professora Liane!!!!
    Hoje não há mais dúvidas sobre o valor desse tipo de narrativa.Tanto que os quadrinhos são recomendados pelos Parâmetros Curriculares Nacionais e reconhecidos como ferramentas de alfabetização, pois os educandos naturalmente gostam desse tipo de linguagem.
    Outro fato que torna-os atraentes para as crianças é a ligação emocional que elas costumam desenvolver com os personagens. Portanto, é importante disponibilizar várias fontes de leituras para as crianças.

    Espero ansiosa pelo seu retorno a nossa querida Jeremoabo para enriquecer ainda mais nosso conhecimento!!!!!!
    Beijos!!!!!


    TATIANA SILVA DO NASCIMENTO LIMA
    CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO-UFBA
    JEREMOABO-BA

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Tatiana!
    Na alfabetização, podemos também ressaltar o apoio nas imagens para ler os quadrinhos. Mas tem também uma coisa interessante no caso das tirinhas...que é a ironia, a graça, aspectos que exigem bastante do leitor em termos de inferência e construção dos sentidos.
    Como essa aí, que exige que o leitor perceba o jogo com dois sentidos diferentes de onça: onça o felino selvagem e onça medida de volume ou massa, muito usada pelos ingleses.
    Assim, longe de serem textos fáceis, como já se pensou, têm complexidade suficiente para serem produtivos em um bom trabalho de formação de leitores.
    Em breve estarei de volta!
    Abç,
    Liane

    ResponderExcluir